domingo, 22 de novembro de 2009

Pregação no G.O. São José no dia 21/11/2009

Romanos 8,28-39

"28 Aliás, sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos, segundo os seus desígnios. 29 Os que ele distinguiu de antemão, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que este seja o primogênito entre uma multidão de irmãos. 30 E aos que predestinou, também os chamou; e aos que chamou, também os justificou; e aos que justificou, também os glorificou. 31 Que diremos depois disso? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas que por todos nós o entregou, como não nos dará também com ele todas as coisas? 33 Quem poderia acusar os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. 34 Quem os condenará? Cristo Jesus, que morreu, ou melhor, que ressuscitou, que está à mão direita de Deus, é quem intercede por nós! 35 Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação? A angústia? A perseguição? A fome? A nudez? O perigo? A espada? 36 Realmente, está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte o dia inteiro; somos tratados como gado destinado ao matadouro (Sl 43,23). 37 Mas, em todas essas coisas, somos mais que vencedores pela virtude daquele que nos amou. 38 Pois estou persuadido de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem as potestades, 39 nem as alturas, nem os abismos, nem outra qualquer criatura nos poderá apartar do amor que Deus nos testemunha em Cristo Jesus, nosso Senhor. "

Meu amado(a) irmão(ã), em nome de Jesus quero compartilhar com você a poderosa palavra de Deus. São Paulo nos declara que graças aos méritos da Gloriosa Paixão, Morte e Ressurreirção de Nosso Senhor Jesus Cristo, já fomos salvos, nada e ninguém poderá nos separar do amor de Deus. Em Cristo Jesus, Deus nos predestinou para a Salvação, por isso meu amado(a), não importa a situação que você está vivendo, basta uma decisão, tomar posse de toda herança que recebemos com filhos amados de Deus e a maior de todas heranças é o céu, a nova Jerusalém celeste. Dia e noite Deus está de mãos abertas para te conceder suas bençãoes, basta abrir o teu coração.

Meu amado(a), lemos no versículo 37 "...em todas essas coisas, somos mais que vencedores pela virtude daquele que nos amou.", portanto, a sua vitória é questão de você tomar posse. No Salmo 107,14 lemos "Com Deus faremos proezas, ele esmagará os nossos inimigos.", ah meu irmã(o) não perca tempo, deixa que esta palavra transforme sua vida, veja o versículo 33 "Quem poderia acusar os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica.", você é um escolhido de Deus, ah que maravilha! Quem pode te acusar? Temos um podereso intercessor a direita de Deus, Jesus Cristo, o Senhor de todas as coisas, Ele se deu em sacrifício por vc e por mim, não perca tempo, VOCÊ É MAIS QUE VITORIOSO!

Concluo dizendo a você que esta palavra é realidade na minha, dia após dia, Deus tem me convencido sou amado por Ele, você é amado por Ele, somos amados por Ele e esta poderosa palavra  é suficientemente capaz para curar-te e libertar-te.

Tome posse!!!!


Que Deus abra as comportas do Céu e lhe seja favorável em todas as suas necessidades!

Paz e Fogo!!!  Visite-nos, esperamos por você todos os sábados às 19:00h, em nosso Grupo de Oração.

Gerson Alves dos Santos

Referências: http://www.avemaria.com.br/editora/biblia/

sábado, 1 de agosto de 2009

Vale a pena crer!


Isso aconteceu em 1892.
Um senhor de 70 anos viajava de trem tendo ao seu lado um jovem universitário, que compenetrado lia o seu livro de ciências.
O senhor por sua vez lia um livro de capa preta.
Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia, e estava aberta no livro de São Marcos.
Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:
- O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?
- Sim. Mas não é um livro de crendices é a Palavra de Deus. Estou errado?
O estudante dando uma risadinha sarcástica respondeu:
- Claro que está! Creio que o senhor deveria estudar a história geral.
E veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, fez o favor de mostrar a miopia da religião. Somente pessoas sem cultura ainda crêem nessa história de que Deus criou o mundo em seis dias. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre que os cientistas dizem sobre isso.
- É mesmo?- perguntou o cristão, e o que dizem os cientistas sobre a Bíblia?
- Bem - respondeu o universitário, agora eu não posso explicar, pois vou descer na próxima estação, mas deixe o seu cartão que eu lhe enviarei o material pelo correio.
O senhor então cuidadosamente abriu o bolso interno do paletó, e deu o cartão ao universitário.
Quando o jovem leu o que estava escrito abaixou a cabeça, e saiu cabisbaixo se sentindo pior que uma ameba.
O cartão dizia: "Louis Pasteur, Diretor do Instituto de Pesquisas Científicas da École Normale de Paris".
VALE A PENA
Vale a pena a tentativa e não o receio...
Vale a pena confiar e nunca ter medo...
Vale a pena encarar e não fugir da realidade...
Ainda que eu fracasse, vale a pena lutar...
Vale a pena discordar do melhor amigo e não apoiá-lo em suas atitudes erradas...
Vale a pena corrigi-lo...
Vale a pena encarar-me no espelho e ver se estou certo ou errado...
Vale a pena procurar ser o melhor...
Vale a pena perseverar, porque desta forma sua meta é alcançada
Vale a pena ter fé em Deus, porque Ele é nosso Deus e jamais nos abandona!!!
Enfim, vale a pena viver a vida, com Jesus e da melhor maneira possível

sábado, 28 de março de 2009

O amor conforme Deus quer


"Cuida-te quando fazes chorar uma mulher,pois Deus conta as suas lágrimas.

A mulher foi feita da costela do homem, não dos pés para ser pisada,nem da cabeça para ser superior,mas sim do lado para ser igual,debaixo do braço para ser protegidae do lado do coração para ser AMADA.


”Fique atenta você que fez o seu amado chorar,pois Deus sente os seus gemidos de dor.

O homem acolheu a mulher dando-lhe a sua própria costela,não deu os pés para que ela o chutasse,nem da cabeça para que ela julgasse e raciocinasse,mas sim do lado para ser igual,debaixo do braço para abrigá-la,e do lado do coração para ser AMADO.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Consagração à Nossa Senhora


O que é uma Consagração e a quê nos conduz?

A consagração é uma promessa de amor que se faz a Jesus, através da qual se Lhe oferece tudo o que se é, o que se tem e se faz; tudo através do Coração Imaculado da Virgem Maria, para que, por graça destes Dois Corações, cada um de nós viva plenamente entregue à vontade do Pai. A meta de toda consagração é Jesus; neste caso, a Virgem Maria é o meio eficaz para alcançar maior união com Cristo e é uma fonte de proteção maternal contra Satanás. Está claro que não podemos separar Jesus de Maria, assim o enfatiza João Paulo II: “Nossa relação interior com a Mãe de Deus dimana organicamente de nosso vínculo ao mistério de Cristo…” (Cf. Testemunho de João Paulo II com relação à Preparação para a Consagração Total, segundo São Luís Maria Grignion de Montfort) Este é o caminho que buscam aqueles que fazemos a consagração que aqui propomos: aproximarmo-nos de Jesus através do amor da Mãe Santíssima e consagrarmo-nos inteiramente a Ele. Sabemos conscientemente então, que isto significa viver fora do pecado, obedecendo aos mandamentos que Jesus nos deixou, ratificando nossa fé e “construindo Igreja” ao procurarmos ser cada dia mais santos. Motivos para consagrar-se Se levamos a religião a sério, estaremos de acordo em que precisamos andar pelo caminho da santidade, e melhorar dia a dia nossa maneira de agir, de falar e de pensar. Mas acontece que muitas vezes não encontramos a maneira de mudar tudo aquilo que nos prejudica diante dos olhos de Deus, de nossos semelhantes, e diante de nós mesmos. Mais ainda, na maioria das vezes nem sequer somos conscientes do quê está ruim; mas de vez em quando nos sentimos indignos de receber tanta bondade, tanta graça e bênção da parte de Deus. É que verdadeiramente temos tanto para agradecer ao Senhor… tantas maravilhas…! O amor do esposo ou da esposa, dos filhos, dos pais, do namorado ou namorada, de seus irmãos, de algum outro ente querido… Na verdade é o Senhor que o ama através dessas pessoas, é Ele quem quer estar em todo lugar abraçando-o. Sinta Jesus assim, como o Ser mais terno que o protege e que quer ser seu amigo sempre. E como responder a esta infinita maravilha? Correspondendo ao amor com amor! Apesar das aparências, não pretendemos vender a você um produto, amigo leitor, queremos que você se enamore de Jesus, simplesmente porque Ele está enamorado de você, embora talvez em um rasgo de acertada e sã humildade, você creia que não merece… Por isso lhe propomos que se consagre ao Seu amor misericordioso. E lhe oferecemos a ferramenta de que necessita para fazê-lo: consagre-se totalmente a Jesus através do Imaculado Coração de Sua amadíssima Mãe, já que, por meio desta prática humana e divina, você dará toda a glória ao Senhor. Há um requisito essencial: você deve deixar tudo de lado e estar realmente disposto a lutar contra o pecado; deverá se introduzir e se manter em um estilo de vida que lhe permita caminhar de acordo com os desígnios e a vontade do Coração de Jesus. Ele assim deseja, quer que aperfeiçoemos nossa vida cristã a cada dia: “Se me amais, guardareis meus mandamentos.” (Jo 14,14) “Sede perfeitos como vosso Pai que está no Céu é perfeito” (Mt 5,48). “Quem diz que permanece nEle, deve viver como Ele viveu.” (1 Jo 2,6) Se lhe trazemos estas citações bíblicas agora é para lhe recordar que, como batizados, devemos buscar a santidade, e para que tome consciência do valor e da imensa ajuda que pode lhe dar a consagração na realização deste objetivo, que deveria ser o propósito de todo batizado. No entanto, é importante que saibas também o enorme compromisso que uma consagração acarreta, já que depois você deve imitar a vida que teve Jesus e a vida que viveu Maria. A luz que brilhou nos corações de Jesus e de Maria foi o desejo, absoluto e permanente, de fazer em tudo a vontade do Pai. Essa deverá ser sua meta também, uma vez que se tenha consagrado. Se verdadeiramente você tem este propósito, deve saber que a disponibilidade de sua alma permitirá a nossa Mãe fazer de você um prolongamento de Si mesma, para apresentá-lo depois diante do Senhor, pois Ela será a intercessora em sua conversão voluntária. Como diz São Luís Maria Montfort, “Este compromisso de vida, estimulado constantemente por um conhecimento vital da mãe de Deus, traduz-se por sua vez em uam verdadeira e permanente relação íntima com o coração Imaculado de Maria”. (“Preparação para a Consagração Total”) O Ato de consagração total a Maria É um ato de devoção que contém todos os demais. Tal qual o expõe S. Grignion de Montfort, consiste em se dar inteiramente a Jesus por Maria, e compreende dois elementos: um ato de consagração, que se renova de tempos a tempos, e um estado habitual que nos faz viver e operar sob a dependência de Maria. O ato de consagração, diz S. Grignion, «consiste em se dar todo inteiramente, em qualidade de escravo, a Maria e a Jesus por Ela». Ninguém se escandalize com o termo escravo, ao qual se deve tirar todo o sentido pejorativo, isto é, toda a idéia de coação: este ato, longe de implicar violência, é a expressão do amor mais puro. Não se conserve pois, senão o elemento positivo, tal qual o explica o Bem-aventurado: Um simples servo ou criado recebe soldo, fica livre de deixar o patrão e não dá mais que o seu trabalho; não dá a sua pessoa, os seus direitos pessoais, os seus bens; um escravo consente livremente em trabalhar sem soldo; confiando no senhor, que lhe assegura sustento e abrigo, dá-se para sempre, com todos os seus recursos, a sua pessoa e os seus direitos, para viver em completa dependência dele. (Compêndio de Teologia Ascética e Mística, 170) Apresentação da Consagração Total Quantas vezes em sua vida você se propôs “firmemente” a realizar uma mudança de vida radical e definitiva?… Quantos Natais e Anos Novos, quantas Quaresmas e Pentecostes passaram sem que você conseguisse fazer isso? Ânimo! Isso acontece a todos nós… E embora digam que “o mal de muitos é consolo de tolos”, de alguma forma nos tranqüiliza saber que o que nos acontece é bastante “normal” e freqüente. Quantas vezes não fazemos o bem que queremos, mas o mal que detestamos!, como dizia o próprio São Paulo… (Cf. Rom 7, 14ss). É que isso acontece a todos nós (ou a quase todos), por nossa natureza decaída; porque, como diz São Paulo, por ser homens de carne, estamos “vendidos ao pecado”… Mas quando prevalece em nós a pureza de intenção, e colocamos nossa esperança no Senhor, Ele mesmo vai colocando ao nosso alcance valiosos instrumentos para obtermos Sua Graça; em primeiro lugar, é claro, através dos Sacramentos. Precisamente nesta oportunidade, queremos compartilhar consigo um escrito valiosíssimo, ao qual já fizemos referência no Nº 6 de Jesucristo Vivo (obs.: publicação do ANE no México); um documento reconhecido pela Igreja Católica e recomendado pelo Santo Padre para o crescimento espiritual de quem certamente deseja avançar no caminho da fé e da santidade. Como dissemos naquela edição de nossa revista, o Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem Maria é um livro que provocou uma mudança decisiva na vida de João Paulo II, e de muitas almas ao longo da história. Naturalmente, também pode servir para você… Na introdução dessa mesma obra lemos o seguinte: “Este é um livo precioso: escrito por um santo, meditado pelos santos, e que tem a bela missão de formar os santos de Deus. Agora está em tuas mãos, para que também possas ser santo…” Este documento fundamental, de São Luís Maria Grignion de Montfort, ajuda-o a renovar, através de uma intensa preparação, a entrega a Deus que deveria ser nosso destino principal, a partir do batismo. Com efeito, se ao sermos batizados renunciamos ao pecado, assumimos um compromisso com Cristo e entramos nEle e em Sua Igreja, pelo desejo amoroso de nossos pais e padrinhos; ao fazer volunt[aria e conscientemente esta consagração agora, já como adultos, renunciaremos consciente e definitivamente ao pecado, renovando voluntariamente as promessas do batismo, e assim nos entregaremos plenamente a Deus em Jesus Cristo, por meio de Maria. A consagração é uma experiência espriitual que tem toda a força para elevá-lo a uma visão diferente das coisas. Se você se animar a fazê-la, é possível que inicialmente não compreenda, ou não aprecie em toda sua grandeza a quê o conduzirá esta prática, mas estamos certos de que o Senhor, com o passar do tempo, irá fazendo Sua parte, e seu coração se unirá de um modo definitivo ao Seu Sacratíssimo Coração, através do Coração Imaculado de Maria. Isto é tão certo, que o próprio São Luís Maria Grignion de Montfort escreve neste tratado ao qual nos referimos: “Infinitamente mais do que aqui te digo, mostrat-te-á a experiência; e tantas riquezas e graças encontrarás na prática, se fores fiel no pouco que aqui te digo, que ficarás surpreendido e com a alma cheia de júbilo” (SM 52 “Preparação para a Consagração Total”) Consagramo-nos através de Maria porque ninguém, nenhuma alma de homem mortal, submeteu seu coração à Vontade de Deus de maneira mais pura e completa do que a Santíssima Virgem… Por isso é a Mãe da Igreja, e foi por isso que Jesus, na hora de sua morte, a entregou a João, e a todos nós através dele, como o guia mais sublime para chegar ao Céu. Sem dúvida, a consagração não é uma “receita mágica” para obter a salvação, pois tal receita não existe, e mentiríamos se a apresentássemos agora, mas você pode estar certo de uma coisa: se você se consagrar e for fiel a suas promessas, com a graça de Deus você aprofundará sua conversão para Cristo, para poder chegar um dia ao Céu.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Quaresma


Neste tempo especial de graças que é a Quaresma devemos aproveitar ao máximo para fazermos uma renovação espiritual em nossa vida. O Apóstolo São Paulo insistia: "Em nome de Cristo vos rogamos: reconciliai-vos com Deus!" (2 Cor 5, 20); "exortamo-vos a que não recebais a graça de Deus em vão. Pois ele diz: Eu te ouvi no tempo favorável e te ajudei no dia da salvação (Is 49,8). Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação." (2 Cor 6, 1-2). Cristo jejuou e rezou durante quarenta dias (um longo tempo) antes de enfrentar as tentações do demônio no deserto e nos ensinou a vencê-lo pela oração e pelo jejum. Da mesma forma a Igreja quer ensinar-nos como vencer as tentações de hoje. Daí surgiu a Quaresma. Na Quarta-Feira de Cinzas, quando ela começa, os sacerdotes colocam um pouquinho de cinzas sobre a cabeça dos fiéis na Missa. O sentido deste gesto é de lembrar que um dia a vida termina neste mundo, "voltamos ao pó" que as cinzas lembram. Por causa do pecado, Deus disse a Adão: "És pó, e ao pó tu hás de tornar". (Gênesis 2, 19) Este sacramental da Igreja lembra-nos que estamos de passagem por este mundo, e que a vida de verdade, sem fim, começa depois da morte; e que, portanto, devemos viver em função disso. As cinzas humildemente nos lembram que após a morte prestaremos contas de todos os nossos atos, e de todas as graças que recebemos de Deus nesta vida, a começar da própria vida, do tempo, da saúde, dos bens, etc. Esses quarenta dias, devem ser um tempo forte de meditação, oração, jejum, esmola ('remédios contra o pecado'). É tempo para se meditar profundamente a Bíblia, especialmente os Evangelhos, a vida dos Santos, viver um pouco de mortificação (cortar um doce, deixar a bebida, cigarro, passeios, churrascos, a TV, alguma diversão, etc.) com a intenção de fortalecer o espírito para que possa vencer as fraquezas da carne. Na Oração da Missa de Cinzas a Igreja reza: "Concedei-nos ó Deus todo poderoso, iniciar com este dia de jejum o tempo da Quaresma para que a penitência nos fortaleça contra o espírito do Mal". Sabemos como devemos viver, mas não temos força espiritual para isso. A mortificação fortalece o espírito. Não é a valorização do sacrifício por ele mesmo, e de maneira masoquista, mas pelo fruto de conversão e fortalecimento espiritual que ele traz; é um meio, não um fim. Quaresma é um tempo de "rever a vida" e abandonar o pecado (orgulho, vaidade, arrogância, prepotência, ganância, pornografia, sexismo, gula, ira, inveja, preguiça, mentira, etc.). Enfim, viver o que Jesus recomendou: "Vigiai e orai, porque o espírito é forte mas a carne é fraca". Embora este seja um tempo de oração e penitência mais profundas, não deve ser um tempo de tristeza, ao contrário, pois a alma fica mais leve e feliz. O prazer é satisfação do corpo, mas a alegria é a satisfação da alma. Santo Agostinho dizia que "o pecador não suporta nem a si mesmo", e que "os teus pecados são a tua tristeza; deixa que a santidade seja a tua alegria". A verdadeira alegria brota no bojo da virtude, da graça; então, a Quaresma nos traz um tempo de paz, alegria e felicidade, porque chegamos mais perto de Deus. Para isso podemos fazer uma confissão bem feita; o meio mais eficaz para se livrar do pecado. Jesus instituiu a confissão em sua primeira aparição aos discípulos, no mesmo domingo da Ressurreição (Jo 20,22) dizendo-lhes: "a quem vocês perdoarem os pecados, os pecados estarão perdoados". Não há graça maior do que ser perdoado por Deus, estar livre das misérias da alma e estar em paz com a consciência. Jesus quis que nos confessemos com o sacerdote da Igreja, seu ministro, porque ele também é fraco e humano, e pode nos compreender, orientar e perdoar pela autoridade de Deus. Especialmente aqueles que há muito não se confessam, têm na Quaresma uma graça especial de Deus para se aproximar do confessor e entregar a Cristo nele representado, as suas misérias. Uma prática muito salutar que a Igreja nos recomenda durante a Quaresma, uma vez por semana, é fazer o exercício da Via Sacra, na igreja, recordando e meditando a Paixão de Cristo e todo o seu sofrimento para nos salvar. Isto aumenta em nós o amor a Jesus e aos outros. Não podemos esquecer também que a Santa Missa é a prática de piedade mais importante da fé católica, e que dela devemos participar, se possível, todos os dias da Quaresma. Na Missa estamos diante do Calvário, o mesmo e único Calvário. Sim, não é a repetição do Calvário, nem apenas a sua "lembrança", mas a sua "presentificação"; é a atualização do Sacrifício único de Jesus. A Igreja nos lembra que todas as vezes que participamos bem da Missa, "torna-se presente a nossa redenção". Assim podemos viver bem a Quaresma e participar bem da Páscoa do Senhor, enriquecendo a nossa alma com as suas graças extraordinárias; podendo ser melhor e viver melhor.

quinta-feira, 19 de março de 2009

Terço de São José



Nas contas do grandes:

Meu glorioso São José, nas vossas maiores aflições e tribulações não vos valeu o anjo do Senhor? Valei-me, São José!

Nas contas da pequenas: São José, valei-me!

No final de cada dezena: Jesus, Maria e José!

Concluir o terço com este oferecimento: A vós, glorioso São José, ofereço este terço em louvor e glória de Jesus e de Maria, para que seja minha luz e guia, minha proteção e defesa, minha fortaleza e alegria em todos os meus trabalhos e tribulações, principalmente na hora da agonia. Pelo nome de Jesus, pela glória de Maria, imploro o vosso poderoso patrocínio, para que me alcanceis a graça que tanto desejo. Falai em meu favor, advogai a minha causa no céu, e na terra alegrai a minha alma, para honra e glória vossa, de Jesus e de Maria. Assim seja.

domingo, 15 de março de 2009

O Senhorio de Jesus em minha vida





Ao atribuir a Jesus o título divino de Senhor, as primeiras confissões de fé da Igreja afirmam desde o início que o poder, a honra e a glória devidos a Deus Pai cabem também a Jesus, por ser Ele “de condição divina" (Fl 2,6) e ter o Pai manifestado esta soberania de Jesus ressuscitando-o dos mortos e exaltando-o em sua glória".
Se tivermos Jesus como Senhor de nossas vidas, devemos estar dispostos a deixá-Lo no comando, modificando nossos conceitos e atitudes. Jesus só pode assumir o comando, se permitirmos que Ele torne-se dono e Senhor da nossa vida, e que tenhamos o desejo de sermos guiados por Ele.
A partir do momento que deixamos TUDO nas mãos do Senhor, começamos a experimentar a vontade de Deus para nossa vida, e sentirmos a necessidade de sermos cada vez mais dependentes Dele.Foi assim com os Apóstolos, eles tinham a necessidade de sempre estar com o Mestre.
Jesus está conosco, temos a certeza de que Ele está no meio de nós, mas precisamos continuamente fazer com que Ele esteja, e isto pode acontecer através de nossas ações. Cada gesto, cada sentimento deve ser reflexo do amor de Deus. É Jesus que está no irmão que muitas vezes estende a mão pedindo a nossa ajuda. Precisamos enxergá-Lo nos irmãos e amar com o mesmo amor que somos amados pelo Senhor.
Jesus está no meio de nós em todas as Santas Missas, onde se fez alimento para a nossa alma. Ele está no coração de quem O comunga; nesse momento somos verdadeiros Sacrários do Senhor.Essa graça de Jesus em meio a nós tem me feito lutar com todas as forças para que a Cultura de Pentecostes se realize plenamente em nossos dias, no meu Grupo de Oração, na paróquia, no GO, nas casas todas as semanas, nos encontros.
Em nossos dias Deus tem se mostrado com prodígios e milagres. No começo de dezembro do ano passado estive em Marabá/PA, e encontrei a Dona Maria dos Remédios contando, emocionada, seu testemunho: após 17 anos afastada da Igreja e, freqüentando outros caminhos, certo dia, assistindo ao Programa Celebrando Pentecostes, foi batizada no Espírito e liberta de muitos males físicos e espirituais. Voltou a freqüentar a igreja e servir a Deus. Para Deus não há distâncias e tudo é possível para aquele que crê (Mc 9,23), Glória a Deus!
Outro testemunho é de Cascavel/PR. Em novembro, também de 2008, na Catedral, uma senhora no final do encontro parecia uma criança, de tanta alegria, depois de muitos anos totalmente surda, voltou a ouvir após a oração da efusão do Espírito. Glória a Deus!
Testemunhos de milagres, curas e libertações têm chegado até nós freqüentemente, verdadeiramente Deus está no meio de nós! Precisamos com toda a nossa vida, como Semeadores da Cultura de Pentecostes, Apóstolos e Apóstolas do Espírito proclamar que Jesus Cristo é o Senhor de nossa vida, de nossa religião e toda a nação. Amém! Aleluia! Deus te abençoe nesta missão.
Por Ironi Spuldaro

domingo, 8 de março de 2009

Aborto e Excomunhão


Por Prof. Felipe Aquino

A Imprensa tem divulgado que o Sr. Arcebispo de Olinda e Recife, D. José Cardoso Sobrinho excomungou as pessoas que praticaram o aborto na menina de 9 anos de idade estuprada pelo padrasto. Na verdade, o Sr. Arcebispo não aplicou a pena de excomunhão aos que praticaram o aborto, ele apenas avisou que essas pessoas estavam excomungadas pelo “Código de Direito Canônico”, que prevê a excomunhão "latae sententiciae" (cânon 1398), ou seja, automática, para quem pratica o aborto ou colabora com a sua execução. Portanto, não se ponha o peso da decisão no Sr. Arcebispo, mas sim no Código de Direito Canônico aprovado pelo Papa João Paulo II, em 1983.A Igreja não aceita o aborto em caso algum, nem mesmo em caso de estupro ou má formação congênita, porque o dom da vida só pode ser tirado por Deus. Apenas no caso de legitima defesa da vida, quando não há outra alternativa, pode-se tirar a vida do agressor injusto; nem de longe é o caso ocorrido com a menina. Jamais um feto pode ser taxado de agressor.Os médicos poderiam ter tratado da menina com tudo o que a medicina tem de recursos, mas jamais matar as crianças. Se a criança no ventre da mãe vier a morrer por efeito secundário devido a um tratamento aplicado à mãe, nesse caso não há pecado, pois não se quis voluntariamente matar a criança.Será que os médicos avaliaram se a menina poderia gerar os filhos e dá-los à luz, mesmo com o auxílio da cesariana? Sabemos que um feto pode sobreviver hoje fora do útero até com cerca de 400 gramas.O aborto é uma violência inaudita que a Igreja considera um pecado gravíssimo, a ser punido com a pena máxima de excomunhão; brada justiça ao céu.Um erro não justifica cometer outro; quem deveria ser punido é o estuprador e não as crianças gêmeas; o juiz deve punir o réu culpado e não as vitimas; dessa forma a Justiça age às avessas.

Prof. Felipe Aquino

quinta-feira, 5 de março de 2009

Ladainha para pedir o dom da humildade



Ó Jesus, manso e humilde de coração, ouvi-me.

Do desejo de ser estimado, livrai-me, ó Jesus.

Do desejo de ser amado, livrai-me, ó Jesus.

Do desejo de ser conhecido, livrai-me, ó Jesus.

Do desejo de ser honrado, livrai-me, ó Jesus.

Do desejo de ser louvado, livrai-me, ó Jesus.

Do desejo de ser preferido, livrai-me, ó Jesus.

Do desejo de ser consultado, livrai-me, ó Jesus.

Do desejo de ser aprovado, livrai-me, ó Jesus.

Do receio de ser humilhado, livrai-me, ó Jesus.

Do receio de ser desprezado, livrai-me, ó Jesus.Do receio de sofrer repulsas, livrai-me, ó Jesus.Do receio de ser caluniado, livrai-me, ó Jesus.

Do receio de ser esquecido, livrai-me, ó Jesus.

Do receio de ser ridicularizado, livrai-me, ó Jesus.

Do receio de ser infamado, livrai-me, ó Jesus.

Do receio de ser objeto de suspeita, livrai-me, ó Jesus.

Que os outros sejam amados mais do que eu, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.

Que os outros sejam estimados mais do que eu, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.

Que os outros possam elevar-se na opinião do mundo, e que eu possa ser diminuido, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.

Que os outros possam ser escolhidos e eu posto de lado, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.

Que os outros possam ser louvados e eu desprezado, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.

Que os outros possam ser preferidos a mim em todas as coisas, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.

Que os outros possam ser mais santos do que eu, embora me torne o mais santo quanto me for possível, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.
Amém!

quarta-feira, 4 de março de 2009

Oração para pedir os dons do Espírito Santo


Espírito Santo, concedei-me o dom da sabedoria, afim de que cada vez mais aprecie as coisas divinas e , abrasado pelo fogo do Vosso amor, prefira com alegria as coisas do céu a tudo que é mundano e me una para sempre a Cristo, sofrendo neste mundo por seu amor.

Espírito Santo, concedei-me o dom do entendimento, para que, iluminado pela luz celeste da Vossa graça, bem entenda as sublimes verdades da salvação e da doutrina da santa religião. Espírito Santo, concedei-me o dom do conselho, tão necessário nos melindrosos passos da vida, para que escolha sempre aquilo que mais Vos seja do agrado, siga em tudo Vossa divina graça e saiba socorrer meu próximo com bons conselhos.

Espírito Santo, concedei-me o dom da fortaleza, para que despreze todo respeito humano, fuja do pecado, pratique a virtude com santo fervor e afronte com paciência, e mesmo com alegria do espírito, o desprezo, o prejuízo, as perseguições e a própria morte, antes de renegar por palavras e obras a Cristo.

Espírito Santo, concedei-me o dom da ciência, para que conheça cada vez mais minha própria miséria e fraqueza, a beleza da virtude e o valor inestimável da alma e para que sempre veja claramente as ciladas do demônio, da carne, do mundo, afim de as evitar.

Espírito Santo, concedei-me o dom da piedade, que me tornará delicioso o trato e colóquio Convosco na oração e me fará amar a deus com íntimo amor como a meu Pai, Maria santíssima e a todos os homens como a meus irmãos, em Jesus Cristo.

Espírito Santo, concedei-me o dom do temor de Deus, para que eu me lembre sempre, com suma reverência e profundo respeito, a Vossa divina presença, trema como os mesmos anjos diante da Vossa divina majestade e nada receie tanto como desagradar Vossos santos olhos!

Vinde, Espírito Santo, ficai comigo e derramai sobre mim Vossas divinas bênçãos. Em nome de Jesus.

Amém.

terça-feira, 3 de março de 2009

As tentações





Para quem ama a Jesus Cristo não há sofrimento pior que as tentações. Todos os outros sofrimentos o estimulam a se unir mais com Deus, quando aceitos com generosidade. As tentações, porém , impelem a pecar, a separar-se de Jesus Cristo e, por isso, são muito mais amargas do que todos os outros sofrimentos. É preciso, porém, notar que todas as tentações, que impelem para o mal, não veem de Deus, mas do demônio ou das más inclinações. Deus é incapaz de tentar para o mal, e Ele não tenta ninguém.( Tg 1,13 ).
Quando uma alma goza da presença amorosa de Deus, todas as dores, os desprezos e os maus tratos, em vez de afligirem, consolam, pois são motivos para oferecer a Deus alguma prova de seu amor. É lenha que ateia mais fogo. Mas o ver-se tentado a perder a graça de Deus ou o sentir o temor na desolação de já tê-la perdido, são esses os sofrimentos mais amargos para quem ama a Jesus Cristo. Mas o próprio amor a Deus lhe dá forças para sofrer com paciência e continuar no caminho da perfeição. E quanto progride as almas no caminho da perfeição com essas provas, que Deus costuma exigir-lhes de seu amor!

Deus é fiel e não permitirá que sejais tentado acima de vossas forças! Quem resiste as tentações não perde nada, mas tira delas grande proveito, por isso o Senhor muitas vezes permite tentações às almas mais escolhidas para que adquiram maiores méritos neste mundo e mais glória no céu.
Nem por isso devemos desejar as tentações. Pelo contrário, devemos pedir sempre a Deus que nos livre delas, especialmente daquelas nas quais Deus vê que seremos vencidos. É justamente isso que pedimos no Pai Nosso...

Entrega-te a Deus e não temas, porque, se Ele te coloca na luta, certamente não te deixará sozinho para que caias. ( Sto Agostinho, Confissões )



Fonte: Livro, A prática do amor a Jesus Cristo
S. Afonso de Ligório

segunda-feira, 2 de março de 2009

Juventude e prostituição

A força e o ânimo da juventude é algo admirável! Ciente disso e com uma predileção especial pelos jovens, já dizia João Paulo II:
Jovens, vocês podem mudar o mundo...
Por outro lado são afoitos, querem resolver tudo de imediato, achando que os problemas do mundo podem ser solucionados num estalar de dedos.
É comum vermos jovens cheios de vida, mas que ainda não amadureceram, aliás, para determinados assuntos se consideram senhores da verdade, mas em outros, agem como se não tivessem qualquer responsabilidade sobre seus atos. Vocês entenderão ao longo da matéria onde quero chegar com minhas palavras.
Hoje em dia não é difícil encontrarmos jovens, tanto homens como mulheres, de qualquer classe social, se lançando na prostituição com a justificativa de que precisam angariar dinheiro para atender suas supostas necessidades, alegando que o sustento de seus pais não é suficiente.
Infelizmente, na grande maioria das vezes a raiz do problema está na criação, quando os pais superprotegem seus filhos e filhas dando-lhes, com merecimento ou não, tudo o que desejam, o famoso ?paparico?, que na verdade não constrói filhos e filhas responsáveis, mas inconseqüentes. Num futuro bem próximo veremos o resultado de tal comportamento que corrompeu a estrutura educacional da criação dos filhos. Com afã de querer e até precisar ganhar dinheiro muitos pais descuidam da educação de seus filhos, algo que a meu ver é letal. Nossos filhos precisam crescer cheios de força, de muito ânimo, mas cientes de suas responsabilidades e de que precisam responder por seus atos, caso contrário, teremos, em breve, uma nação de homens e mulheres irresponsáveis e inconseqüentes, que não chegarão muito longe. Com essas poucas palavras quero clarear a idéia de que a educação e o futuro dos filhos é responsabilidade principalmente dos pais, os primeiros educadores.
Lembro-me de que quando eu e meus irmãos éramos crianças e precisávamos fazer por onde, ou seja, nos esforçarmos para ganhar algo. Não é difícil relembrar fatos como no Natal, onde desejávamos ganhar uma bicicleta e precisávamos ter passado de ano no colégio para merecer tal prêmio; sem contar que em casa o comportamento deveria ser exemplar. Atualmente, vejo pais que dão tudo a seus filhos, com ou sem merecimento; sem falar que não é preciso uma data apropriada para ganhá-los. Pagamos o alto preço da modernidade que nos conduz ao consumismo absoluto, desenfreado, e a um pensamento antropocêntrico, onde somos o centro das atenções e tudo precisa girar ao nosso redor. Tente imaginar o resultado de tudo isso na cabeça de um jovem impetuoso, cheio de anseios... Ele precisa entender que o mundo não gira em torno dele e que ele não é e nem deve ser o centro das atenções, mas que os seus olhos precisam estar voltados para Deus, pois este, sim, deve ser o centro das nossas atenções.
Acredite, tudo pode ser diferente! O seu filho ou sua filha, um jovem cheio de força, de ânimo e sabendo de suas responsabilidades construirá uma nação com um futuro muito melhor e cada vez mais próxima de Deus.

Padre Ruffus e a Oração de Cura e Libertação


Fiéis lotam ginásio em busca da cura

Um ginásio lotado em absoluto silêncio. No palco, a adoração do Santíssimo Sacramento é ministrada pelo padre Edilson Leite, da paróquia de São Joaquim. Parte do público acompanha ajoelhado. Muita gente tem os olhos fechados e as mãos espalmadas apontando para cima. A senhora de joelhos, concentrada em sua oração, segura um álbum de fotografias. Duas jovens bonitas aparecem na foto que ela escolheu para erguer em direção ao palco. Não é a única a exibir fotografias em busca de cura para pessoas da família. Dali a uma hora, quando o padre Rufus Pereira, 75, anuncia o momento da bênção, centenas de outros retratos aparecem flutuando sob a multidão junto com medalhas, chaves de casa, bíblias e até latas de azeite. "Quando nos voltamos para Jesus buscando com oração e fé seu amor e seu poder, ele pode nos curar fisicamente", diz o padre indiano na quarta palestra proferida por ele no I Misericórdia Brasil. Rufus levou cerca de 13 mil pessoas ao Ginásio Paulo Sarasate no fim de semana. Doutor em Teologia Bíblica e exorcista autorizado pelo Vaticano, ele é responsável pelo Ministério de Cura e Libertação da Renovação Carismática Católica. "O Ministério mais importante do sacerdócio", afirma. Com a ajuda de uma intérprete, o padre, que usa o inglês nas palestras que dá ao redor do mundo, falou de maneira simples e direta sobre a presença do demônio na vida das pessoas. "Não somente o demônio existe como ele afeta a vida das pessoas por meio das tentações", afirma. Possessões são mais raras. Geralmente a interferência se manifesta em aflição, obsessão e opressão. "Estou dizendo o que o Vaticano e a Igreja dizem. Há alguns meses saíram seis páginas sobre Satanás no jornal do Vaticano", reforça Rufus. Mas o padre não quer apavorar ninguém. Pelo contrário. Diz mais de uma vez que uma oração com fé pode libertar a pessoa em cinco minutos. Prático e sempre bem humorado, Rufus enumerou alguns comportamentos que sinalizam a presença do demônio num problema que pode ser confundido com questões de saúde ou psicológicas. "O demônio sempre ataca a vontade", ensina. Perversões sexuais, alcoolismo, dependência de drogas e até o terrorismo são "hábitos companheiros do pecado" que podem ser resultado de trabalhos do mal. Casos que uma simples oração de libertação pode solucionar. Mas Rufus reconhece que distinguir uma doença de um trabalho do demônio pode ser difícil. O discernimento pede ajuda da "orientação do Espírito Santo e da sabedoria da Igreja para o diagnóstico certo". Mas o próprio Rufus lembra que em seu primeiro exorcismo não sabia como reagir. "Não me ensinaram no Seminário". Hoje, com três décadas de prática, padre Rufus conta entre 20 e 30 exorcismos feitos.
Em 1976, durante um retiro com as irmãs de Santana, padre Rufus viu o demônio pela primeira vez. Uma família amiga das freiras enfrentava uma série de doenças e desavenças e insistiu para que o padre rezasse por eles. Uma única frase dita fez a mãe distorcer a face, falar um inglês perfeito - "Volte para Bombaim" -, ganhar força e partir para cima de padre Rufus. "O Espírito Santo veio sobre mim, disse parem, esperem e comecei a rezar em línguas. A mulher ficou com o rosto de um anjo e as mãos levantadas", conta. Em 1993, foi criada a Associação Internacional dos Exorcistas. Padre Rufus foi um dos fundadores e permaneceu como vice-presidente por 10 anos. Em 1995, surgiu a Associação Nacional para a Libertação que treina padres para o exorcismo em todo o mundo. No Brasil, o treinamento já ocorreu em Aparecida (SP). O I Misericórdia Brasil foi organizado pelo Instituto Hesed dos Irmãos e Irmãs da Santa Cruz e da Bem Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo.

domingo, 1 de março de 2009

Mais fotos do Rebanhão do Senhor!







Reconhecimento Pontifício dos Estatutos da RCC



"Nós vivemos na Igreja um momento privilegiado do Espírito”: declarou Sua Santidade Paulo VI em sua Exortação Apostólica "Evangelii Nuntiandi" (n. 75). De fato, existem muitos sinais pelo mundo onde podemos ver o fruto do Espírito. Correntes, movimentos e testemunhos de santidade renovam a comunhão e a missão da Igreja, apoiados nos dons carismáticos e hierárquicos. Entre eles estão a Renovação Carismática Católica ou Renovação no Espírito e novas formas de Comunidades de vida que brotem desses dons. “O vigor e os frutos da Renovação – disse Sua Santidade João Paulo II aos participantes do 6º Congresso Internacional da Renovação Carismática em 15 de Maio de 1987 – certamente dão testemunho da presença poderosa do Espírito Santo na Igreja durante esses anos que se seguiram após o Concílio Vaticano II. É claro que o Espírito tem guiado a Igreja por todo esse tempo fazendo brotar uma grande variedade de dons entre os fiéis. Graças ao Espírito, a Igreja mantém constantemente sua jovialidade e vitalidade. E a Renovação Carismática é uma manifestação eloqüente desta vitalidade nos dias de hoje, uma afirmação vigorosa do que ‘o Espírito está dizendo às Igrejas’ (Ap 2, 7), enquanto nos aproximamos do final do segundo milênio.”
Para apoiar as realidades bem diversas dos indivíduos e grupos que respondem ao apelo do movimento Católico Carismático, o Escritório Internacional da Renovação Carismática Católica tem dado, desde 1978, uma resposta concreta e positiva facilitando a comunicação e a cooperação entre todos.
Aceitando agora o pedido feito pelo ICCRS para obter o reconhecimento pontifício, de acordo com o atual Código de Direito Canônico,
Analisando os propósitos do ICCRS de “serviço e promoção da Renovação Carismática Católica por todo mundo, sob a ação do Espírito Santo” (art. 1), tendo “uma preocupação especial com a fidelidade dos participantes da renovação carismática, tanto indivíduos quanto grupos, à Igreja Católica, e sua obediência ao Santo Papa assim como aos outros bispos, de acordo com os ensinamentos da Igreja” (art. 3),
Tendo examinado atentamente os Estatutos apresentados pelo ICCRS e consultado diversos canonistas, e após a incorporação nos estatutos de observações feitas pelo Pontifício Conselho para os Leigos e pelo próprio ICCRS em 8 de Julho de 1993,
Buscando e fortalecendo um relacionamento mais regular e institucional entre o ICCRS e a Santa Sé, particularmente através do Pontifício Conselho para os Leigos, cujo Vice-Presidente, Bispo Paul J. Cordes, foi nomeado pelo Santo Papa como Conselheiro Episcopal do ICCRS, "ad personam",
Apoiado pelos testemunhos positivos de muitos Cardeais e Bispos sobre o serviço empreendido pelo ICCRS em concordância com a comunhão e a missão da Igreja,
Tendo também em mente que em 30 de Novembro de 1990 o Pontifício Conselho para os Leigos reconheceu a Fraternidade Católica das Comunidades de Aliança e Vida, como uma associação privada de fiéis, e na esperança que existirá um relacionamento frutífero de diálogo e cooperação entre esta associação e o ICCRS,
O P O N T I F Í C I O C O N S E L H O P A R A O S L E I G O S D E C R E T A :
O reconhecimento do ICCRS como uma entidade de promoção da Renovação Carismática Católica, com personalidade jurídica, de acordo com o Canon 116,
aprovando seus Estatutos, em sua forma original, depositados nos arquivos deste Dicastério.

PAUL J. CORDES
Vice-presidente
EDUARDO CARD. PIRONIO
Presidente
Do Vaticano, 14 de Setembro de 1993, Festa da Exaltação da Cruz
Porque a Renovação Carismática Católica é reconhecida em seu carisma pelo Vaticano. Isso é mais um motivo de festa nesta celebração de 42 anos do movimento.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

É uma festa!!!

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

UM MOMENTO HISTÓRICO!

Patti Mansfield estava entre os jovens que viveram a experiência de um Novo Pentecostes em suas vidas durante o fim de semana de Duquesne. O relato abaixo foi escrito apenas dois meses depois dessa experiência considerada marco inicial da RCC no mundo.

Depoimento de Patty Gallagher Mansfield:
“Tivemos um Fim de Semana de Estudos nos dias 17 A 19 de fevereiro. Preparamo-nos para este encontro, lemos os Atos dos Apóstolos e um livrinho intitulado "A Cruz e o Punhal" de autoria de David Wilkerson. Eu fiquei particularmente impressionada pelo conhecimento do poder do Espírito Santo e, pelo vigor e a coragem com que os apóstolos foram capazes de espalhar a Boa Nova, após o Pentecostes. Eu supunha, naturalmente, que o Fim de Semana me seria proveitoso, mas devo admitir que nunca poderia supor que viria a transformar a minha vida!Durante os nossos grupos de discussão, um dos líderes colocou em tela o fato de que nós devemos confirmar constantemente os nossos votos de Batismo e de Crisma, assim como devemos ter a alma mais aberta para o Espírito de Deus. Pareceu-me curioso, mas um pouco difícil de acreditar quando me foi dito que os dons carismáticos concedidos aos apóstolos são ainda dados às pessoas nos dias atuais – que ainda existem sinais do poder divino e milagres – e que Deus prometeu emanar o seu Espírito para que se fizesse presença a todos os seus filhos. Decidimos, então, efetuar a renovação dos votos de Batismo e de Crisma como parte do serviço da missa de encerramento, no domingo à noite. Mas, no entanto, o Senhor tinha em mente outras coisas para nós!...No sábado à noite, tínhamos programado uma festinha de aniversário para alguns dos colegas, mas as coisas foram simplesmente acontecendo sem alternativa. Fomos sendo conduzidos para a capela, um de cada vez, e recebendo a graça que é denominada de Batismo no Espírito Santo, no Novo Testamento. Isto aconteceu de maneiras diversas para cada uma das pessoas. Eu fui atingida por uma forte certeza de que Deus é real e que nos ama. Orações que eu nunca tinha tido coragem de proferir em voz alta, saltavam dos meus lábios. (...) Este não era, pois um simples bom fim de semana, mas, na realidade, uma experiência transformadora de vida que ainda está prosseguindo e se desenvolvendo em crescimento e expansão.Os dons do Espírito já são hoje manifestados – e isto eu posso testemunhar, porque tenho ouvido pessoas orando em línguas, outras praticam curas, discernimento de espíritos, falam com sabedoria e fé extraordinárias, profetizam e interpretam.Eu, agora, tenho certeza de que não há nada que tenhamos de suportar sozinhos, nenhuma oração que não seja atendida, nenhuma necessidade que Deus não possa cobrir em sua riqueza! E, no depender dele e louvá-lo com fidelidade, eu sinto uma tremenda sensação de liberdade.Podemos tentar viver como cristãos, morrendo para nós mesmos e para o pecado, mas esta será uma luta desanimadora se não contarmos com o poder do Espírito. Ainda existem tentações e problemas, mas agora tenho a certeza e a confiança em Deus, agora ele me dá segurança. Realmente, transforma-me a viver nele. É verdade que na Crisma, nós recebemos o Espírito Santo e que nós somos seus templos, mas nós não nos abrimos o suficiente para receber em nossas vidas os seus dons e o seu poder. É certo que o Espírito Santo é o nosso professor: eu dele aprendi tanto e em tão pouco tempo!As Escrituras vivem! Amém! Eu estou segura de que jamais poderia ter acumulado por minha própria conta tanto conhecimento, apesar de todo o esforço desenvolvido, e com as melhores intenções que tivesse.(…) Eu me vi, de repente, conversando com as pessoas sobre Cristo, e, vendo desde logo o resultado desse trabalho! Eu jamais teria ousado fazer essas coisas no passado, mas agora, é ao contrário: é impossível deixar de fazê-lo. É como disseram os apóstolos depois de Pentecostes: “Como podemos deixar de falar sobre as coisas que vimos e ouvimos!"

Últimas do Rebanhão do Senhor!!!

Quanta gente!!!

Momento de Adoração!

Olha só apose da Cris!








Maria Clara e Sofia...Lindas, lindas!




segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Mais do Rebanhão 2009






















Nossa senhora do Divino Pranto



Cernusco, na Itália, berço da Congregação, o médico Dr. Bino, no dia 6 de janeiro de 1924, apresenta seu diagnóstico a respeito de uma jovem religiosa enferma, Irmã Elizabeth: "Nada mais posso fazer por ela. A medicina já não tem recursos neste caso...". Muito querida por todos, a irmã está cega, debilitada, prostrada por tremendas dores. Muitas vezes, fica, durante horas e horas, inconsciente. Imersa em dores, o sorriso permanece em seus lábios.
Às dez e trinta da noite, na casa religiosa todas dormem. Na enfermaria, Irmã Elizabeth respira com muita dificuldade. De repente, a religiosa começa a falar. As irmãs presentes escutam atônitas o que ela diz:Nossa Senhora do Divino Pranto
"Oh! Como a Senhora é boa! Mas eu tenho uma dor tão grande que nem sei oferecer direito a Deus... Reze a Senhora que é tão boa!".
As religiosas estão atentas, mas não podem ouvir a resposta da 'Senhora' que, no entanto, fala: "REZA! CONFIA! ESPERA! Voltarei de 22 para 23". Em meio ao seu sofrimento, a enferma pensa na dor das outras irmãs enfermas: "Vá falar com Irmã Teresa, Irmã Amália e com Irmã Elisa Antoniani, que há tantos anos está doente!". A boa 'Senhora' sorri e desaparece.
Na manhã seguinte, as companheiras de quarto comentam: "Ontem, à noite, Irmã Elizabeth não parava de falar, sonhando". Prontamente ela respondeu: "Não sonhei, falei com aquela 'Senhora'". As religiosas sorriem penalizadas. A enfermeira, bondosa e enérgica, repreende a Irmã Elizabeth, dizendo: "Que pode ter visto, você, que está cega há um ano? Você sonhou e não invente tolices!..." A Superiora, Irmã Ermínia Bussola, também tenta convencê-la: "... Quero-lhe muito bem e não a engano. Repito que, aqui em casa não veio ninguém de fora. Você sonhou." A pobre Superiora por toda a sua vida teve que lamentar-se de sua incredulidade. Foi, ao invés, no plano de Deus, uma das tantas provas que autenticaram a aparição.
Irmã Elizabeth prossegue tranqüila carregando sua cruz. Chega fevereiro, trazendo neve e frio intenso. A enferma aguarda um novo encontro com a 'Senhora' para o dia 2. Não dorme, ouvindo as batidas do relógio e conta as horas. A noite passa sem nenhuma novidade. Vem a manhã do dia 3 e Irmã Elizabeth mal disfarça o choro. A Superiora pergunta-lhe a razão da tristeza. A enferma responde: "Ela não veio... tinha dito de 2 para 3... A Superiora fica preocupada com as faculdades mentais de Irmã Elizabeth que piora a cada dia. Novamente o médico é chamado. Sua opinião: "Desta vez é o fim. Não há nada mais a fazer. A Irmã tem poucas horas de vida".
No dia 22 de fevereiro, na enfermaria, Irmã Gariboldi vela pela agonizante acompanhada de outra religiosa. São vinte e três horas e quarenta e cinco minutos. As duas Irmãs rezam em voz baixa. Pedem misericódria para a co-irmã que sofre tanto. Neste momento, Irmã Elizabeth tem um sobressalto. As Irmãs acodem, pensando que chegou o momento final. Mas, aquela que há quinze dias não fala, grita, agora: "Oh! a 'senhora'! a 'senhora'"! Trêmula, a Irmã Gariboldi convida a outra Irmã a ajoelhar-se e murmura: "Se for a Senhora, levá-la-á consigo!" Sem nada entender, as duas espectadoras ouvem atentamente: "Oh! a 'senhora'! De 22 para 23? Pois eu havia entendido de 2 para 3. E era de 22 para 23!..."
De repente, a Irmã Elizabeth se ergue um pouco mais e sua atitude é de espanto quando diz: "Mas, 'senhora'... é Nossa Senhora! É Nossa Senhora!" Ela vê que a Virgem traz o Menino Jesus nos braços e ele está chorando. "Chora por meus pecados? Chora porque não o amei bastante?..." As religiosas presentes nada ouvem mas pressentem que algo extraordinário está ocorrendo. A Senhora responde: "... O Menino chora porque não é bastante AMADO, PROCURADO, DESEJADO, também pelas pessoas que Lhe são consagradas... Tu deves dizer isto!"
Irmã Elizabeth ainda não percebe a missão que a Senhora lhe confia. Ela julga que a Virgem viera levá-la ao paraíso, no que se equivoca. Maria quer dar-lhe uma missão e para tanto lhe dá um sinal: devolve-lhe a saúde e desaparece com seu Menino. Alguém se lembra de chamar a Superiora que se levanta, achando que vai encontrar a enferma dando seu último suspiro. Ao invés disso, vê a doente luminosa, de olhos radiantes. Irmã Elizabeth corre a abraçar a Superiora, exclamando: "Nossa Senhora curou-me e mandou-me dizer que Jesus chora porque não é bastante AMADO, PROCURADO, DESEJADO, também pelas pessoas que lhe são consagradas!"
O médico que a acompanhou sempre afirmou: "A cura de Irmã Elizabeth não pode ser explicada pela ciência". Antes, ateu, converteu-se e tornou-se um cristão fervoroso. Mais tarde, conseguida a aprovação da Igreja para este culto de Nossa Senhora, foi modelada uma imagem, de acordo com a descrição feita por Irmã Elizabeth.
Ainda hoje, em Cernusco e em vários países, as Irmãs Marcelinas espalham esta devoção à Virgem Santíssima. A afluência de peregrinações ao local da aparição é grande. A capela já não é suficiente para conter todos aqueles que, cheios de fé, diante da Virgem do Divino Pranto, REZAM, CONFIAM e ESPERAM.
Jaculatória: Querido Menino Jesus, amar-Vos-ei muito para enxugar as lágrimas que Vos faz derramar a ingratidão dos homens. Nossa Senhora do Divino Pranto,Rogai por nós que recorremos a vós!
Fonte: "Nossa Senhora do Divino Pranto", material vocacional publicado pelas Irmãs Marcelinas, São Paulo, 1984.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Testemunho

No dia 09/01/2009 recebemos via e-mail este pedido de oração:

Irmãos, peço que OREM por mim, pois necessito muito voltar a trabalhar urgentemente. Tenho 2 filhos, os quais eu crio sozinha e estou em sérias dificuldades financeiras. Fui aprovada em um concurso e preciso ser CHAMADA logo para o trabalho. Peço que intercedam para que Deus me conceda essa graça, da qual tanto necessito, não somente para mim, mas também para que eu possa colaborar com as obras de Deus. Senhor, conceda-me essa graça de ser convocada logo para meu trabalho, em nome de Jesus. Obrigada. Deus abençoe a todas vocês sempre.

Dia 19/02/2009 recebemos este relato:

Queridos(as) Amigos(as),
Hoje eu tomei posse em um cargo, no qual estou ingressando por meio de concurso público. E esse já é o terceiro e o melhor emprego que me surge neste mês. Quero louvar a Deus e agradecer pela misericórdia infinita do nosso Jesus Cristo, nosso Deus Todo Poderoso, que é Pai, Filho e Espírito Santo. Agradecer a Nossa Senhora e ao maravilhoso São José. Quero também agradecer muito a vocês que oraram por mim, pois há uns 2 meses eu vinha pedindo orações a vocês e agora as Bênçãos e Graças estão vindo MULTIPLAMENTE em minha vida. E não é só a graça de um trabalho, mas de mudanças maravihosas que estão acontecendo em minha vida ultimamente. Peço a Deus que os ilumine e os guie sempre!!!

Por favor, orem pela minha conversão diária, a mim e minha família.

Muito obrigada!

Francisca Carvalho


Quando pedimos permissão para publicar este testemunho recebemos esta resposta:

Obrigada, sim eu concordo, pois penso que os testemunhos e as graças de Deus devem ser divulgadas, para a glória de Nosso Senhor.
Orarei por vocês sempre.

Francisca Carvalho Brasília DF

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Testemunho

Recentemente, tive a dolorosa experiência de perder um filho por aborto espontâneo. Apesar de espontâneo, amarguei o sabor da culpa por algum tempo, porque sempre se acha que algo, ainda que involuntário, tenha sido fator contributivo. Confesso que a gravidez não havia sido planejada, porque, de fato, não sou casada.E como se não bastasse, o meu noivo (agora ex-noivo) não aceitou a gravidez e, portanto, abandonou-me, literalmente, uma vez que voltou para nossa cidade de origem, deixando-me sozinha na cidade onde estou residindo a trabalho.
Por outro lado, tenho emprego fixo, ou melhor: sou funcionária pública concursada. E, desse modo, preocupações com questões financeiras, ainda que existentes, foram as menos significativas no momento.
A partir da minha experiência, acredito que muitos outros fatores são capazes de interferir na decisão de prosseguir ou não com uma gravidez. E todos se levantaram contra mim naqueles curtos, porém intensos, três meses. Confesso que se não fossem convicções profundas quanto: a) reconhecer-me como um ser absolutamente responsável por aquele acontecimento; b) considerar que uma gravidez é fruto de um ato e não obra do acaso (muito menos fruto do Espírito: esse só Jesus Cristo); c) acreditar ser Deus o Autor da vida e, como tal, O único capaz de legislar sobre a vida; d) estar convicta de que nenhuma folha cai sem Sua permissão; e) estar consciente de que aquela criança (que crescia no meu ventre) era um ser absolutamente inocente e, portanto, era o último que deveria ser penalizado ao ponto de pagar com sua própria vida por um ato do qual era, tão somente, fruto e não agente. Por fim, por estar convicta de que o aborto é um ato mais que ilegal (até porque poderá ser legalizado a qualquer momento); é um ato de extrema arrogância e covardia, é que fui incapaz de alimentar a idéia de interromper a gravidez, ainda que esta se apresentasse como uma alternativa mais que viável: possível. Explico-me: Considero o aborto um ato de arrogância porque acredito que quem pratica ou incentiva o aborto o faz por considerar a mulher como dona do próprio corpo. No entanto, esquecem de considerar que o feto é um alter corpo; ele, simplesmente, depende do corpo da mãe; não é uma extensão do seu corpo e, como tal, não faz parte do seu corpo.
Considero o aborto um ato de covardia porque acredito que quem pratica ou incentiva o aborto revela, ainda, a mais desumana das fraquezas: aquela que nos torna incapazes de suportar - e por que não dizer? - amar as conseqüências dos nossos próprios atos. A minha gravidez estava sinalizando para uma mudança inesperada e abrupta em todas as áreas da minha vida, inclusive, a conquista do título de mãe solteira.
Eu, certamente, a teria interrompido se não fosse, além das citadas convicções, algo muito simples: a certeza de que Deus é Deus e eu sou apenas eu. Logo, se meu filhinho morreu, foi por permissão do mesmo Deus que me deu. A partir do que vivi estou certa de que o que torna uma mulher capaz de acolher com todo o seu ser - e não apenas com o ventre - a presença de um ser que veio de onde, por onde e para onde só Deus sabe, é um dom mais que precioso em tempos, como os nossos, cheios de terror: é o Dom do Temor. Porque, sem dúvida alguma, inúmeras razões, da mais fútil a mais coerente que vão desde "o que as pessoas vão dizer?"; "será que vou ficar cheia de estrias?", "o que será que meu filho vai comer?", "que futuro o meu filho irá ter?", "o que ele vai ser quando crescer?", norteiam a cabeça de qualquer mulher humana sob quaisquer circunstâncias.
Se estas questões não forem consideradas sob a ótica do temor ao Senhor, são capazes de transformarem-se em razões suficientes para justificar aquilo para o qual não há justificativa. Só quem teme a Deus é capaz de ponderar a partir da perspectiva de que ao homem - que veio do pó e a ele retornará - não lhe foi dado o direito de optar sobre sua própria vida, tampouco sobre um sopro de vida. E é justamente essa ausência de temor ao Senhor que faz aumentarem as especulações e crescerem as estatísticas.
Mas a verdade é simples: para o aborto não há justificativas.
Fernanda Maria Fernandes Funcionária Pública - Alagoas
Testemunho recebido por e-mail.

20 anos de Louvor!!!


O Grupo de Oração São José faz aniversário e quem ganha presente é você que nos acompanha, lendo nosso blog e orando por nós!

Para participar é muito simples: deixe uma mensagem de Feliz Aniversário em nosso e-mail, seguidos do seu nome e pronto! Você já estará participando!

O sorteio será dia 14/03/2009, pois no dia 15 o Grupo de Oração São José completa 20 anos de vida e louvor! Será realizado durante o Grupo de Oração São José e será muito simples: todos os nomes que nos forem enviados por e-mail até o dia 13/03/2009 participam, nós gravamos e depois postamos o vídeo no blog.

O prêmio???

Uma Bíblia + um livro Valei-me São José(editora Canção Nova) + um terço entregues em sua casa!

Participe conosco desta festa!

Grupo de Oração São José: 20 anos de Louvor!

Rebanhão 2009







Começou nesta Sexta-feira o Rebanhão de Jesus 2009.





O início aconteceu com a celebração da Santa Missa pelo Padre Sílvio e também contou com a presença do Diácono Manoel.




O Ministério de Música Emanuel assumiu tanto os cantos da Missa e da Adoração quanto a animação do Baile ce Carnaval que encerrou a noite.





Neste sábado tem muito mais esperando por cada um de nós!
Venha!!!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

VENI, CREATOR SPIRITUS

É um hino da Igreja Católica, em honra ao Espírito Santo. Desde que foi composto, no século IX, esse texto litúrgico nunca deixou de ser ressoado na Igreja em momentos importantes, sobretudo, na Festa de Pentecostes. Foi com essa oração solene que o Papa Leão XIII consagrou o século XX à Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, mesmo século em que surgiu a Renovação Carismática Católica .
Essa oração também foi feita pelos jovens que viveram a experiência de um Novo Pentecostes em suas vidas durante o fim de semana de fevereiro de 1967 na Universidade de Duquesne, marco inicial da existência de nosso Movimento.
Como podemos constatar, trata-se de um canto de grande significado para a RCC. Abaixo, transcrevemos a oração em português, convidando a todos que façam dela um clamor diário:

Veni Creator Spiritus! Vem, Espírito Criador!
Vinde Espírito Criador, as nossas almas visitai
e enchei os corações com vossos dons celestiais.
Vós sois chamados o Intercessor de Deus, excelso Dom sem par,
a fonte viva, o fogo, o amor, a unção divina e salutar.

Sois doador dos sete dons e sois poder na mão do Pai,
por Ele prometido a nós, por seus feitos proclamais.
A nossa mente iluminai, os corações enchei de amor,
nossa fraqueza encorajai, qual força eterna e protetor.

Nosso inimigo repeli, e concedei-nos vossa paz,
se pela graça nos guiais, o mal deixamos para trás.
Ao Pai e ao Filho Salvador, por vós possamos conhecer
que procedeis do Seu amor, fazei-nos sempre firmes crer.
Amém!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Gigantes Carismáticos

Em toda a história da Igreja, de Pentecostes até o tempo presente, temos sido abençoados e encorajados pelos relatos das vidas de verdadeiros gigantes espirituais, que seguiram Jesus Cristo com amor e dedicação e que tem sido e ainda são um poderoso testemunho para fazermos o mesmo. Estes homens e mulheres foram cheios do Espírito Santo e viveram o Pentecostes em plenitude. Muitos, devido à sua docilidade ao Espírito, receberam de Deus manifestações poderosas dos carismas, em grande diversidade.Os carismas do Espírito Santo são em número muito maior do que aqueles listados por São Paulo em I Cor. 12, 8-11, mas para fins de clareza neste artigo, vamos nos restringir a estes nove carismas e discutiremos como eles são manifestados nas vidas de alguns gigantes carismáticos.Com tantas opções para escolhermos, é difícil até começarmos a selecionar alguns, mas assim não estaremos negando aqueles que não são mencionados. Ao preparar este artigo, comecei a fazer uma tabela simples com o nome do Santo, e então relacionei os nove dons extraordinários e marquei, ao lado do seu nome, de vários dons que sabemos terem sido manifestados na vida daquele Santo em especial.Tomemos, como exemplo, a vida de São Pedro, o Apóstolo, e primeiro Papa. Das Sagradas Escrituras, principalmente em Atos dos Apóstolos, vemos que todos os nove dons foram manifestados na vida dele. Ao olharmos para estas referências Bíblicas, vemos o poder o Espírito Santo operando na vida de São Pedro.Dom da Sabedoria: Atos 2, 14-40: Pregação inspirada com sabedoria;Palavra de Sabedoria: Atos 5, 1-11: O Relato de Ananias e Safira;Fé: Atos 9,36-42: A história da ressurreição de Tabita dos mortos (Este é também o dom dos milagres que se segue ao dom da fé de conhecer a vontade de Deus);Cura: Atos 3,1-10: A cura do coxo à porta do templo;Milagres: Atos 5, 15: A sombra de Pedro cobrindo pessoas – cura e milagres;Profecia: (visões) Atos 2,39: “A promessa é para vós, para os vossos filhos e para todos os que ouvirem de longe o apelo do Senhor, nosso Deus”. Atos 10: A visão preparando Pedro para ir até os Gentios;Discernimento dos espíritos: Atos 5: Ananias e Safira mentindo para o Espírito Santo;Línguas: Atos 2: Pentecostes;Interpretação de línguas: Sem menção específica, mas houve interpretação de línguas em Pentecostes.Você pode fazer o mesmo com São Paulo e vale a pena relacionar os nove dons e procurar nas Escrituras versículos e relatos de quando São Paulo usou estes carismas. Na realidade, uma leitura orante dos Atos dos Apóstolos mostrará ao leitor como os dons eram evidentes na vida da Igreja naquele tempo.A não ser que pensemos que os dons diminuíram ou que não são mais necessários, temos apenas que ler a vida dos santos através dos séculos para ver a necessidade desses carismas em cada geração.Como homens e mulheres leigos, podemos também ser tentados a acreditar que esses carismas são apenas para algumas pessoas especiais. Este é um erro e uma leitura do Catecismo da Igreja Católica, a respeito dos carismas do Espírito Santo, mostrará que eles são esperados e que deveriam ser uma norma para todos os Cristãos (2003).Um verdadeiro gigante espiritual de nosso tempo é, com certeza, o Papa João Paulo II, que teve uma vida santa, cheia do Espírito e que manifestou alguns carismas. Talvez tenha manifestado todos eles, mas há relatos registrados de curas, milagres, línguas e certamente grande sabedoria espiritual durante sua vida. Ele foi verdadeiramente uma voz profética em nosso mundo durante seu pontificado e suas palavras continuam a reverberar em todo o mundo.Um milagre não registrado de cura foi compartilhado conosco em nosso Grupo de Oração por um sacerdote que havia sido diagnosticado com um tumor cerebral inoperável. Em uma visita a Roma, ele participou da audiência geral e ficou perto do corredor onde sua Santidade passaria. JPII veio até ele e sem ter sido informado a respeito da condição de saúde do sacerdote, impôs suas mãos sobre sua cabeça e então prosseguiu em seu caminho.Ao retornar à sua casa, o sacerdote fez um Raio X do tumor do cérebro e o resultado foi negativo. O tumor não estava mais lá. Este sacerdote nos mostrou, com grande alegria, ambos os Raios X, antes e depois.Há, sem dúvida, muitos casos onde João Paulo II foi usado pelo Santo Espírito desta forma.O Pe. Raniero Cantalamessa, pregador da casa Papal, também relata como João Paulo havia pedido oração para receber o dom de línguas. Algum tempo depois, João Paulo reportou ao Pe. Ranieiro, com grande alegria, que ele havia recebido o dom.Durante os últimos quarenta anos desta corrente atual do Espírito Santo, gigantes espirituais demonstraram os dons do Espírito.O Pe. Emiliano Tardif foi usado poderosamente pelo Senhor nas áreas de cura, milagres, discernimento dos espíritos e outros carismas. A Irmã Briege McKenna ainda continua a servir o Senhor e tem sido usada, consistentemente, no ministério de cura. É interessante observar que ambos iniciaram seus ministérios após terem sido curados miraculosamente.À medida que você lê as vidas do Santos, tome nota dos carismas que mencionamos e você verá que gigantes carismáticos nunca faltaram.
O boletim completo do ICCRS (Escritório Internacional da RCC) acompanha a Revista Renovação. A Revista é distribuída, de graça, a todos que colaboram com os Projetos de Evangelização da Renovação Carismática do Brasil.
Cadastre-se e receba a revista em sua casa.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Renovação Carismática Católica-um pouco de nossa história


A Igreja, ao longo de sua história, tem presenciado o surgimento de muitos "despertares e movimentos de “renovação”. Como observa o conceituado teólogo Heribert Mühlen, em muitos deles “irrompe assim, novamente, a vitalidade pentecostal da Igreja, e isso de um modo nunca previsto”.O "século da Igreja", como foi muitas vezes definido o século XX, iniciou-se sob o signo de uma necessidade: o desejo da presença criadora e libertadora do Espírito. Em 9 de maio de 1897, o Papa Leão XIII publicou a Encíclica Divinum Illud Munus, sobre o Espírito Santo , "lamentando que o Espírito Santo fosse pouco conhecido e apreciado, convida o povo a uma devoção ao Espírito". A leitura, os sermões e livros sobre este documento influenciarão muitas pessoas, estimulando também um número importante de estudos sobre o papel do Espírito Santo na Igreja. Passadas algumas décadas e convocado solenemente no dia 25 de dezembro de 1961, através da Constituição Apostólica Humanae Salutis, a vida da Igreja contemporânea ficará profundamente marcada pelo Concílio Vaticano II (1962-1965). Superando a fase apologética defensiva contra o mundo moderno, teve o Concílio o mérito de recolher e direcionar vozes proféticas do século XIX, que buscaram redescobrir a integridade e o ministério da Igreja, bem como movimentos na primeira metade do século XX, entre eles: Movimento Litúrgico, Movimento Bíblico, Movimento Ecumênico, etc., e que traziam um desejo comum: "renovar a vida da Igreja e dos batizados a partir de um retorno às origens cristãs" .Para seu promotor, o Papa João XXIII , o Concílio deveria ser uma "abertura de janelas" para que um "ar novo e fresco" renovasse a Igreja.Depois de quatro etapas conciliares, o Papa Paulo VI encerrou o Concílio Ecumênico Vaticano II em uma cerimônia ao ar livre, na Praça de São Pedro, no dia 8 de dezembro de 1965.Tendo também sido qualificado como o Concílio do Espírito Santo, "O Vaticano II foi um verdadeiro Pentecostes como o mesmo João XXIII havia desejado e ardentemente pedido” e, embora a dimensão carismática jamais deixasse de existir na realidade e na consciência eclesial, sobretudo na Lumen Gentium, em seu primeiro capítulo, o Vaticano II nos torna manifesto esta realidade não como algo secundário, mas como fundamental. Segundo este documento a Igreja é intrinsecamente carismática.
O Concílio Vaticano II não vê nenhum motivo para que se estabeleça uma oposição entre "carisma" e "ministério" ou "carisma" e "instituição"; tal como as instituições e os ministérios, os carismas são realidades igualmente essenciais para a Igreja. O Concílio consegue, assim, superar as antigas impostações dicotômicas que predominaram no campo teológico por vários anos e recupera o equilíbrio salutar da eclesiologia: o Espírito guia a Igreja e a "unifica na comunhão e no ministério; dota-a e dirige-a mediante os diversos dons hierárquicos e carismáticos" (LG 4)(10).Na perspectiva do Cardeal Suenens, João XXIII estava consciente de que a Igreja necessitava de um novo pentecostes e acrescenta: “Agora, olhando para trás, podemos dizer que o concílio, indicando a sua fé no carisma, fez um gesto profético e preparou os cristãos para acolher a Renovação Carismática que está se espalhando por todos os cinco continentes”(11) .Na compreensão que tem de si, a Renovação Carismática se percebe como um acontecimento estreitamente vinculado ao Concílio:
A Renovação Carismática apareceu na Igreja Católica no momento em que se começava a procurar caminhos para pôr em prática a renovação da Igreja, desejada, ordenada e inaugurada pelo Concílio Vaticano II.Não se havia passado um ano sequer ao término do Concílio, quando em 1966 começou a despontar o fenômeno religioso chamado agora Renovação Carismática(12) .
Não sendo, pois, um acontecimento isolado, podemos localizar a Renovação Carismática como um dos desdobramentos da evolução da espiritualidade pós-conciliar.
O nascimento da Renovação Carismática Católica
A Renovação Carismática Católica, ou o Pentecostalismo Católico, como foi inicialmente conhecida, teve origem com um retiro espiritual realizado nos dias 17-19 de fevereiro de 1967, na Universidade de Duquesne (Pittsburgh, Pensylvania, EUA).(13) Em uma carta enviada dois meses após (29 de abril de 1967), a um professor, Monsenhor Iacovantuno, Patti Gallagher, uma das estudantes que participou do retiro, assim relatou o que aconteceu naqueles dias:
Tivemos um Fim de Semana de Estudos nos dias 17-19 de fevereiro. Preparamo-nos para este encontro, lemos os Atos dos Apóstolos e um livrinho intitulado "A Cruz e o Punhal" de autoria de David Wilkerson. Eu fiquei particularmente impressionada pelo conhecimento do poder do Espírito Santo e, pelo vigor e a coragem com que os apóstolos foram capazes de espalhar a Boa Nova, após o Pentecostes. Eu supunha, naturalmente, que o Fim de Semana me seria proveitoso, mas devo admitir que nunca poderia supor que viria a transformar a minha vida!Durante os nossos grupos de discussão, um dos líderes colocou em tela o fato de que nós devemos confirmar constantemente os nossos votos de Batismo e de Crisma, assim como devemos ter a alma mais aberta para o Espírito de Deus. Pareceu-me curioso, mas um pouco difícil de acreditar quando me foi dito que os dons carismáticos concedidos aos apóstolos são ainda dados às pessoas nos dias atuais – que ainda existem sinais do poder divino e milagres – e que Deus prometeu emanar o seu Espírito para que se fizesse presença a todos os seus filhos. Decidimos, então, efetuar a renovação dos votos de Batismo e de Crisma como parte do serviço da missa de encerramento, no domingo à noite. Mas, no entanto, o Senhor tinha em mente outras coisas para nós!...No sábado à noite, tínhamos programado uma festinha de aniversário para alguns dos colegas, mas as coisas foram simplesmente acontecendo sem alternativa. Fomos sendo conduzidos para a capela, um de cada vez, e recebendo a graça que é denominada de Batismo no Espírito Santo, no Novo Testamento. Isto aconteceu de maneiras diversas para cada uma das pessoas. Eu fui atingida por uma forte certeza de que Deus é real e que nos ama. Orações que eu nunca tinha tido coragem de proferir em voz alta, saltavam dos meus lábios. (...) Este não era, pois um simples bom fim de semana, mas, na realidade, uma experiência transformadora de vida que ainda está prosseguindo e se desenvolvendo em crescimento e expansão.Os dons do Espírito já são hoje manifestados – e isto eu posso testemunhar, porque tenho ouvido pessoas orando em línguas, outras praticam curas, discernimento de espíritos, falam com sabedoria e fé extraordinárias, profetizam e interpretam.Eu, agora, tenho certeza de que não há nada que tenhamos de suportar sozinhos, nenhuma oração que não seja atendida, nenhuma necessidade que Deus não possa cobrir em sua riqueza! E, no depender dele e louvá-lo com fidelidade, eu sinto uma tremenda sensação de liberdade.Podemos tentar viver como cristãos, morrendo para nós mesmos e para o pecado, mas esta será uma luta desanimadora se não contarmos com o poder do Espírito. Ainda existem tentações e problemas, mas agora tenho a certeza e a confiança em Deus, agora ele me dá segurança. Realmente, transforma-me a viver nele. É verdade que na Crisma, nós recebemos o Espírito Santo e que nós somos seus templos, mas nós não nos abrimos o suficiente para receber em nossas vidas os seus dons e o seu poder. É certo que o Espírito Santo é o nosso professor: eu dele aprendi tanto e em tão pouco tempo!As Escrituras vivem! Amém! Eu estou segura de que jamais poderia ter acumulado por minha própria conta tanto conhecimento, apesar de todo o esforço desenvolvido, e com as melhores intenções que tivesse.(…) Eu me vi, de repente, conversando com as pessoas sobre Cristo, e, vendo desde logo o resultado desse trabalho! Eu jamais teria ousado fazer essas coisas no passado, mas agora, é ao contrário: é impossível deixar de fazê-lo. É como disseram os apóstolos depois de Pentecostes: “Como podemos deixar de falar sobre as coisas que vimos e ouvimos!" (…)(14) .
Estas notícias se divulgaram rapidamente, causando um grande impacto no meio religioso universitário. O “Fim de Semana de Duquesne”, como ficou mundialmente conhecido este retiro, tem sido geralmente aceito como o ponto de partida que deu origem à Renovação Carismática Católica, cuja abrangência estender-se-á, num curto período de tempo, por um grande número de países.A experiência inicial vivida nestas universidades, caracterizada por um reavivamento espiritual por meio da oração, da vida nova no Espírito, com a manifestação dos seus dons, tomará corpo, transpondo rapidamente o ambiente onde foi originada.Através das reuniões, seminários e encontros, em breve, aparecerão grupos de oração noutras universidades, paróquias, mosteiros, conventos, etc. Os testemunhos multiplicam-se, vindos dos mais variados grupos de pessoas: operários, ex-presidiários, professores, religiosos das mais diversas ordens.Kevin e Dorothy Ranaghan ainda registram um aspecto pouco divulgado desta história inicial da Renovação Carismática:
Nossa suspeita de que essa experiência de renovação, que agora estava espalhada, não era nova para os católicos americanos, foi confirmada, quando ouvimos notícias ou recebemos cartas de pessoas ou grupos de católicos ao redor do país. Da Flórida, Califórnia, Texas, Wisconsin, Massachusetts, tivemos notícias do trabalho calmo do Espírito Santo no decorrer dos anos .
Portanto, embora os primeiros momentos da Renovação tenham se dado em torno do retiro de Duquesne e apesar de estarem os americanos igualmente presentes no seu nascimento em diversos outros países, seria falso atribuir a expansão da Renovação Carismática unicamente à sua influência. Como afirma Monique Hébrard, a Renovação Carismática “explodiu quase ao mesmo tempo em todos os cantos da terra e em todas as igrejas cristãs, sem que se saiba muito bem como é que o fogo se ateou”.

Para o Cardeal Suenens isto também despertou uma curiosidade, ou seja, “sem nenhum contato entre si, parece que o Espírito Santo suscitou em vários lugares do mundo experiências que, se não são iguais, certamente são semelhantes".

Santa Bernadete


No dia 11 deste mês celebramos o dia de Nossa Senhora de Lourdes, que apareceu, em 1858, a uma menina: Bernadete. Ela não só recebeu a graça de ver Maria, mas principalmente contemplou Jesus no Céu, pois alcançou a santidade. Maria Bernarda, conhecida como Bernadete, de família pobre e religiosa, somente com treze anos já teve de trabalhar, empregada em guardar ovelhas fora de casa. Por falta de oportunidade era analfabeta, mas bem sabia rezar com fé e amor a oração do Pai - Nosso, a Ave - Maria e o Credo. Santa Bernadete era uma pessoa muito sincera, por isso, quando começou a receber as aparições de Nossa Senhora, em Lourdes, foi questionada sobre quanto à resposta que trouxe Daquela Mulher, que a disse: "Eu sou a Imaculada Conceição". A menina apenas respondeu: "Ela disse assim".A santa de hoje foi um instrumento escolhido por Maria, tanto que depois das aparições o Senhor continua a socorrer milhares de peregrinos que visitam o Santuário de Nossa Senhora de Lourdes. Naquele tempo Bernadete foi para um convento, onde muito viveu com bom humor a caridade, humildade e sofrimentos, até entrar no Céu, onde encontrou-se com a Bela e Incomparável Mãe, para quem rezou na última hora: "Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por mim, pobre pecadora"!Santa Bernadete, rogai por nós!

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O Santo de hoje: Santo Onésimo


O Santo que, hoje, quer nos edificar com sua vida, chama-se Onésimo; um escravo dos homens que passou, por intervenção da graça, à escravo fiel de Jesus Cristo. O texto histórico que testemunha a santidade dele está contido na Bíblia, onde dele escreve São Paulo. Santo Onésimo era escravo do rico Filêmon e, antes de conhecer Jesus, fugiu da casa do senhor até encontrar-se em Roma com São Paulo, que preso, evangelizou o fugitivo. Filêmon, sua esposa e filho, em certa ocasião foram atingidos por Jesus através de São Paulo, por isso, ao enviar de volta Onésimo, agora convertido e, na busca da santidade, São Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, escreveu:"De bom grado o teria conservado comigo, a fim de que ele me sirva em teu lugar na prisão, onde estou, por causa do Evangelho; entretanto, nada quis fazer sem o teu consentimento, para que tal benefício não tenha ares de forçado, mas o provenha de tua livre... Portanto, se me consideras teu irmão na fé, recebe-o como a mim próprio". (Flm 1,13-14.17)A vida de Santo Onésimo nos aponta para o tratar com irmão, os que sofrem pela questão social, quanto aos que são pequenos e oprimidos. Santo Onésimo, não só foi liberado por Filêmon, mas permaneceu no trabalho com São Paulo, até ser sagrado bispo pelo mesmo, e sofrer o martírio por apedrejamento em 109. Santo Onésimo, rogai por nós!

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Simplesmente, Amado por Deus.


Olá, meu nome é Gérson, quero partilhar com você um pouquinho das inúmeras graças que Deus tem realizado em minha vida nestes 22 anos de caminhada na Renovação Carismática Católica.
Irmãos, sempre tive uma formação Católica, minha mãe foi a primeira a me evangelizar, foi ela quem me ensinou as primeiras orações, a Ave Maria, o Pai Nosso e outras, que pacientemente, ensinava a mim e aos meus irmãos para orarmos antes de domirmos. Me lembro perfeitamente quando juntava as mãozinhas e orava ao nosso Pai (Deus) e a nossa Mãe (Maria). Glória a Deus, pelo amor que naqueles tempos já derramava sobre a minha vida! Glória a Deus pela minha mãe que, na sua simplicidade, amor e bondade, é um grande sinal de Deus em minha vida!
Como Católico, fiz a Primeira Comunhão, Crisma e fui catequista de Primeira Eucarístia e Perseverança (pré-crisma). Com 17 anos resolvi parar com a catequese e participar apenas de um Grupo de Jóvens, que se reunia na Capela São José. Neste grupo tratávamos de vários assuntos ligados a juventude e às questões sociais. Apesar desta vivência Católica, aliás, não faltava às missas, comecei a sentir um vazio, graças a Deus não procurei preenchelo com as coisas do mundo (sexo, álcool, drogras), queria experimetar mais intensamente o poder de Deus em minha vida. Uma noite quando ia passear na praça (naquela época os jóvens se encontravam na praça 7 de setembro), escutei a oração dos membros de uma igreja protestante, como ovelha perdida, fui atraído pelo barulho, fui chamado à frente para aceitar Jesus, mais uma vez como ovelha perdida fui (meus irmãos, eu, assim como você que que é batizado, já aceitamos Jesus em nosso batismo, já recebemos seu Espírito que clama em nós “Aba, Pai!” Gl 4,6). Glória a Deus Deus, não fiquei! Qualquer dia conto como aconteceu... Num outro dia, quando passava pela rua São Paulo, em frente ao Salão Paroquial, da Matriz São Joaquim, escutei pessoas cantando, me pareciam felizes, me aproximei, cheguei até a porta, logo fui convidado a entrar. Nunca tinha visto nada igual, eram jóvens e adultos, todos oravam e louvavam a Deus. Houve o momento da pregação da Palavra, irmãos, fiquei maravilhado. No final pediram para eu ficar de pé, me acolheram com alegria e amor, me falaram: “Este é um Grupo de Oração da Renovação Carismática Católica” e me convidaram para voltar outras vezes, era uma quarta-feira. Glória a Deus! Saí maravilhado pela palavra proclamada, pelas músicas, pela oração, pelo Amor que Deus derrmaou sobre o meu coração naquele dia.
Começava aí a minha caminhada na RCC, participei de vários encontros, cada dia mais entusiasmado. Em um desses encontros aconteceu algo maravislhoso, que provocou uma profunda transformação em minha vida, recebi a graça do Batismo no Espírito Santo. Não se trata de um novo Sacramento, mas de uma profunda experiência de megrulho no amor de Deus através do Espírito Santo. Posso dizer, neste dia eu nasci de novo. O amor de Deus foi abundantemente derramado sobre o meu coração, me curando e libertando de todos os traumas, medos e complexos, me tornei um homem novo. Eu que já tinha gosto pela Palavra de Deus, Bíblia, passei a estudá-la ainda mais e fui cada vez mais sendo instruído Nela. As minhas conversas foram tranformadas (abandonei as piadas que não edificam), passei a amar e adorar Jesus Eucarístico e muitas outras transformações aconteceram, mas o mais importante que aconteceu foi a convicção que Deus, através do Espírito Santos, colocou em meu coração: “Sou um filho amado por Deus”. Irmãos, esta certeza nada e ninguém jamais tirará do meu coração. Sou muito feliz, tenho um Deus que me ama e é fiel. Deus tem me abençoado ao longo da minha vida com prodígios, milagres e sinais, tenho uma esposa maravilhosa e um filho que é o grande presente do Pai em nossas vidas... ah Senhor, quanto amor!!!
Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo, que pela Sua morte e Ressurreição, comunica diariamente aos nosso corações, através do Espírito Santos, o Amor infinito de Deus por nós! Salve Maria!